Discoteca

Discoteca: Erasmo Carlos, Erasmo Carlos convida… (Polydor, 1980)

Em pleno mês de junho de 1980, o Tremendão Erasmo Carlos fez de seu 11º LP o ponto de partida para o que se tornaria comum nos dias de hoje: os discos-projeto. Ele, que vinha de uma seqüência de sucessos nos anos 70, como Sou uma criança, não entendo nada (1974), Filho únicoe A banda dos contentes (1976), poderia ter feito mais um bom álbum de rock, mas não: reuniu a nata da MPB da época para interpretar com ele sucessos compostos à quatro mãos com o “rei” Roberto Carlos.

A partir de uma conversa com os produtores Guti Carvalho (na época diretor artístico da Polygram) e Jairo Pires, Erasmo apresentou a idéia de fazer um disco só de participações especiais, com uma lista que ia de Frenéticas a Maria Bethânia. Nenhum dos dois levou fé sobre a possibilidade de conseguir reunir os 12 nomes escolhidos por ele para gravar em estúdio, principalmente por causa da possível indisponibilidade de cada um. Mas, no dia seguinte, Erasmo Carlos já tinha a confirmação da presença de todos da lista, o que resultou no fantástico LP Erasmo Carlos convida.

O disco reunia amigos de várias fases da vida de Erasmo Carlos. Dos tempos da Rua do Matoso, no bairro da Tijuca, Rio de Janeiro, vieram Tim Maia (presente em Além do Horizonte, de 1975), Jorge Ben (em O Comilão, de 1973) e o brasa Roberto Carlos, que abria o LP com Sentado à beira do caminho, de 1969. A ternurinha Wanderléa, parceira de Roberto e Erasmo no Programa Jovem Guarda (1965-1968) soltou a voz em Na paz do seu sorriso (1979).

Nara Leão (1942-1989), musa da Bossa Nova que em 1978 gravou um LP só de canções de Roberto & Erasmo (E que tudo mais vá para o inferno ou Debaixo dos caracóis dos seus cabelos) marcou presença na suave interpretação de Café da manhã, também de 1978. O grupo A cor do som trouxe a sonoridade característica de Beleza Pura e Abri a porta para o universo de Erasmo em Sou uma criança, não entendo nada, única canção do disco que não foi feita por ele e Roberto, e sim com Ghiaroni.

Os quatro doces bárbaros – Caetano, Gal, Gil e Bethânia – também estavam lá, respectivamente em Quero que vá tudo pro inferno (1965), Detalhes (1971), Mané João (1973) e Cavalgada (1977).
Rita Lee, vivendo na época excelente sucesso comercial e de crítica, fez dueto com Erasmo em Minha fama de mau (1965), canção escalada no roteiro do show Refestança, estrelado por ela e Gilberto Gil em 1977.

Além de Rita, quem também fez parte das gravações de Erasmo Carlos convida foi o grupo As Frenéticas, que fechavam o disco com Se você pensa (1968), citando com muito bom humor trechos de Você me acende (1966): “amor, me acende com carinho / me acende e me chama de benzinho”.

Na contracapa do LP, uma carta de Erasmo, falando da alegria de receber os amigos naquele disco e ver, o que até então era um sonho impossível, em trabalho concluído:

“Era uma vez,
um disco impossível de ser realizado…
…E surgiram rostos.

Seria muito difícil lidar com várias
personalidades diferentes…
…E nasceram ideias.
Teria ainda a diferença de tons…
…E ouviram-se vozes.
Não haveria um projeto mais fácil?
…E responderam vibrações positivas.
Mas que loucura! o disco já está pronto…!
…Amo meus amigos e agradeço suas existências”.

Erasmo Carlos convida… faz parte do box Mesmo que seja eu, lançado pela Universal em 2003, que reúne todos os discos lançados por ele nos selos Philips e Polydor, entre 1971 e 1988, além de raridades.

Músicas:
Sentado à beira do caminho
(Erasmo Carlos – Roberto Carlos)
Participação especial: Roberto Carlos
Detalhes
(Erasmo Carlos – Roberto Carlos)
Participação especial: Gal Costa
Além do horizonte
(Erasmo Carlos – Roberto Carlos)
Participação especial: Tim Maia
Mané João
(Erasmo Carlos – Roberto Carlos)
Participação especial: Gilberto Gil
Minha fama de mau
(Erasmo Carlos – Roberto Carlos)
Participação especial: Rita Lee
Sou uma criança, não entendo nada
(Ghiaroni – Erasmo Carlos)
Participação especial: A Cor do Som
Cavalgada
(Erasmo Carlos – Roberto Carlos)
Participação especial: Maria Bethânia
Quero que vá tudo pro inferno
(Erasmo Carlos – Roberto Carlos)
Participação especial: Caetano Veloso
O comilão
(Erasmo Carlos – Roberto Carlos)
Participação especial: Jorge Ben
Café da manhã
(Erasmo Carlos – Roberto Carlos)
Participação especial: Nara Leão
Na paz do seu sorriso
(Erasmo Carlos – Roberto Carlos)
Participação especial: Wanderléa
Se você pensa
(Erasmo Carlos – Roberto Carlos)
Participação: As Frenéticas

Leia também:
Discoteca: Erasmo Carlos Convida – Volume II (2007)

Você também pode gostar...

7 comentários

  1. Vilton Pereira diz:

    Erasmo, esse disco é realmante fantástico, uma obra-prima, somente artistas do seu nível é capaz de enriquecer a nossa MPB com belissimas cançôes. valeu tremendão

  2. Aurelino Pedro Filho diz:

    A música Detalhes tinha que ser cantada pelo Erasmo sozinho.

  3. romilzamaia@yahoo.com.br diz:

    Gostaria de ter um cd ass por voce uma personalidade da jovem guarda que jamais será esquecida Abçs

  4. Edgardo diz:

    Me es grato descubrir que un disco de poca trascendencia en Argentina, pero que conservo con cariño desde hace más de 20 años, aún está vigente… ¡SARAVA,ERASMO!

  5. marcos vinicius diz:

    erasmo voce e o unico e verdadeiro rei do rock brasileiro.

  6. Erasmo…
    Que intuição maravilhosa tiveste ao fazer este disco, quanto mais te conheço mais te admiro.
    Adoro vc e estou encantada com o seu livro: Minha Fama De Mau.
    Você é especial para muitas pessoas, pode acreditar…

  7. Deni Bacelar diz:

    Bicho,eu procuro este disco a mais de 20 anos,uma verdadeira obra de arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *