Caetano Veloso estreia no Rio seu novo show, Zii e Zie

Na noite de ontem, dia 8, a Obra em Progresso de Caetano Veloso – iniciada há cerca de um ano – avançou mais uma etapa. No palco do Canecão, no Rio de Janeiro, o cantor e compositor baiano lançou seu novo show, Zii e Zie, inspirado nas canções de seu mais recente CD.

Acompanhado pela BandaCê, Caetano, que nos últimos tempos tem se auto declarado velho, ao vivo mostra justamente o contrário: ao longo de quase duas horas, o público confere a performance de um jovem de 66 anos, que comanda uma grandiosa festa interpretando antigos e novos sucessos, como as recentes A cor amarela, Lobão tem razão, Perdeu, Por quem, Lapa e Menina da Ria, além das consagradas Não identificado, Irene, Maria Bethânia – dedicada à memória de Augusto Boal, primeiro nome a dirigir Bethânia em cena, na década de 60 – e Trem das Cores, entre os 24 números do show que começa reverenciando Paulinho da Viola (em A voz do morto) e termina celebrando Roberto Carlos (em Força estranha).

Assim como o novo disco, Zii e Zie é um show de rock. Os acordes da guitarra de Pedro Sá, da bateria de Marcelo Callado e do baixo de Ricardo Dias Gomes se impõem lado a lado com a força da interpretação de Caetano Veloso, especialmente nos versos fortes de Base de Guantánamo, Eu sou neguinha? e Odeio. Mas nem tudo é rock ‘n’ roll em Zii e Zie: a exemplo do subtítulo do CD – “Transambas e Transrock” – outras esferas sonoras tem espaço garantido, como o tango Volver, de Carlos Gardel, e Aquele frevo axé, canção que deu nome ao álbum de Gal Costa em 1998, mas que permanecia inédita na voz de seu autor.

Entre imagens do Rio de Janeiro – projetadas ao fundo – e uma asa delta, montada no centro do palco, atrás da banda, a estreia foi só o começo. Novos capítulos desta obra ainda serão escritos.

A curta temporada no Canecão carioca segue no final de semana, dias 9 e 10 de maio.

Assista Irene: